Os dois sindicatos médicos decidiram hoje convocar uma greve nacional conjunta para os dias 08, 09 e 10 de maio.

A decisão foi anunciada à agência Lusa no final de uma reunião do Forum Médico pela Federação Nacional dos Médicos (FNAM) e pelo Sindicato Independente dos Médicos (SIM).

A FNAM tinha inicialmente previstos três dias de greve para abril, mas, segundo o dirigente João Proença, os dois sindicatos decidiram convergir e agendar uma paralisação conjunta de três dias para maio.

Entre as reivindicações dos sindicatos tem estado a redução da lista de utentes por médico de família e a diminuição de 18 para 12 horas semanais de serviço de urgência obrigatório.

A FNAM tem prevista uma manifestação para o primeiro dia de greve, 08 de maio, em Lisboa, uma ação de protesto à qual o SIM não se associa para já.

Segundo o secretário-geral do SIM, Roque da Cunha, este sindicato vai “concentrar-se em primeiro lugar nas negociações” com o Governo.

Roque da Cunha enalteceu, contudo, a “convergência na ação” das duas estruturas sindicais relativamente aos dias de greve.

O dirigente da FNAM, João Proença, diz que a paralisação serve para tentar travar a atual política do Ministério da Saúde e para que seja alcançada “a dignidade dos médicos”.

 O bastonário da Ordem dos Médicos considerou hoje que os profissionais têm cada vez mais razões para fazer greve e estimou uma forte adesão à paralisação prevista para maio.

Em declarações à agência Lusa no final de uma reunião do Fórum Médico, Miguel Guimarães disse que dará todo o apoio aos médicos que decidam fazer greve.

“Cada vez há mais motivos para protestar. Têm todos os motivos e mais alguns, tanto que é difícil eleger os principais”, afirmou o bastonário.

Além do que são as negociações sindicais, nas quais a Ordem dos Médicos não participa, Miguel Guimarães considerou necessário “potenciar as capacidades de negociação com o Ministério da Saúde”.

No que respeita às competências da ordem, o bastonário disse que será apresentado dentro de duas semanas um novo plano de negociações ao ministro da Saúde e que se esse plano será divulgado publicamente.