A Câmara Municipal de Vila do Conde anunciou esta segunda-feira que o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, aceitou receber os familiares dos pescadores desaparecidos após o naufrágio da embarcação «Mar Nosso», em abril de 2014, nas Astúrias, Espanha.

O anúncio foi feito pela autarquia de Vila do Conde, de onde eram naturais os náufragos, através de um comunicado.

No último ano, a Câmara tem solicitado ao Governo para interceder junto das autoridades espanholas no sentido de serem tomadas as diligências necessárias para resgatar a embarcação do fundo do oceano.

«Após insistentes contactos da Câmara Municipal, no sentido de o primeiro-ministro cumprir a promessa de receber as famílias, este enviou uma carta à autarquia pedindo que fossem propostas datas para uma reunião», pode ler-se num comunicado, publicado pela autarquia vila-condense.

Segundo a Câmara Municipal, o encontro "servirá, naturalmente, para inteirar o primeiro-ministro de toda a situação e serem equacionadas eventuais diligências junto das entidades competentes em Espanha".

Segundo várias opiniões recolhidas pela edilidade vila-condense, tudo leva a querer que os corpos dos pescadores Francisco Santos e Manuel Carinha se encontrem presos no interior da embarcação, que se afundou e está a uma profundidade de 300 metros.

A autarquia de Vila do Conde garantiu que "têm desenvolvido várias diligências no sentido de tentar sensibilizar os responsáveis espanhóis para a importância de conseguirem trazer à superfície o arrastão", lembrando que o armador espanhol da embarcação «faltou com o prometido».

«No início do processo, o armador mostrou grande disponibilidade para que a operação de trazer o arrastão à superfície fosse concretizada, mas, passados nove meses e de forma inexplicável, essa vontade foi-se desvanecendo, faltando o armador à palavra e não mostrando interesse em encontrar uma solução", avançou o comunicado.

Os responsáveis da Câmara de Vila do Conde, esperam agora que este encontro com os familiares dos pescadores naufragados, o Primeiro-Ministro se possam envolver diretamente no processo e sensibilizar o homólogo Governo espanhol para encontrar uma solução.

Três pescadores portugueses morreram em abril de 2014 no naufrágio do pesqueiro de bandeira portuguesa «Mar Nosso», a cerca de 20 milhas norte da ria de Navia, nas Astúrias, Espanha.

A tripulação do barco, de 32 metros de comprimento e 183 toneladas, era constituída por 12 homens -- cinco galegos, todos resgatados com vida, e sete portugueses, dos quais três morreram e dois continuam desaparecidos.