Portugal está entre os dez países da União Europeia (UE) com menos residentes estrangeiros, que representam 3,8 por cento da população e são maioritariamente oriundos de países que não pertencem à União, segundo números do Eurostat divulgados hoje.

A percentagem portuguesa é pouco mais de metade da média europeia, que é de 6,7%, de acordo com os números difundidos por ocasião do Dia das Migrações.

Dois terços dos estrangeiros residentes em Portugal são oriundos de países extra UE, sendo as cinco maiores comunidades oriundas do Brasil (92.120 pessoas), Cabo Verde (42.401), Ucrânia (41.091), Roménia (34.204) e Angola (20.177).

Os portugueses, por seu lado, são a principal comunidade de estrangeiros no Luxemburgo, onde correspondem a 39% dos estrangeiros residentes, com 82.363 pessoas, e em França, onde são 500.109 e representam 13% do total de estrangeiros, à frente de argelinos e marroquinos.

O Luxemburgo é o país da UE onde a proporção de estrangeiros na população é mais alta, com 45,3%. Com percentagens acima dos 10% surgem Chipre (19,5%), Letónia (15,2%), Estónia (14,9%), Áustria (12,5%), Irlanda (11,8%), Bélgica (11,3%) e Espanha (10,1%).

No extremo oposto, os países com menos de um por cento de população estrangeira são a Polónia (0,3%), Roménia (0,4%) e a Croácia, Lituânia e Bulgária, todos com 0,8%.

No total, apenas 34,1 milhões dos 506,8 milhões residentes nos 28 países da UE são estrangeiros, 14,3 milhões cidadãos de um outro Estado membro e 19,8 milhões de um país de fora do bloco europeu.