A Força Aérea Portuguesa tem a maior parte da sua frota de helicópteros Merlin EH-101 parada por um atraso do fornecedor, a empresa francesa Turbomeca, na manutenção dos motores, disseram à Lusa fontes parlamentares.

De acordo com as mesmas fontes, o chefe do Estado-Maior da Força Aérea (CEMFA), general José Araújo Pinheiro, disse esta manhã aos deputados numa audição à porta fechada na Comissão de Defesa que neste momento estão a operar apenas quatro dos doze helicópteros comprados em 2001 à Agusta Westland.

O CEMFA precisou que o ramo pagou à empresa francesa a totalidade dos custos do processo de manutenção, mas que esta já ultrapassou há várias semanas o prazo para entregar os motores.

Uma das fontes referiu que apesar da «pressão» da Força Aérea e das reuniões que já tiveram lugar para tentar resolver o assunto, a Turbomeca não estará a conseguir responder às encomendas, existindo atrasos com outros clientes.