Os trabalhadores e reclusos da prisão de Castelo Branco vão ser submetidos a um rastreio depois de ter sido detetado um caso de tuberculose num recluso, disse a Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais.

"Foi diagnosticada positividade para a tuberculose a um recluso do estabelecimento prisional de Castelo Branco, que ficou imediatamente internado no Hospital Amato Lusitano [Castelo Branco]", refere a Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais (DGRSP), em comunicado enviado à agência Lusa.

Na nota, a mesma fonte explica que, de acordo com o protocolado com os serviços de pneumologia do Serviço Nacional de Saúde (SNS), "vai proceder-se ao rastreio avaliativo de toda a população reclusa e dos trabalhadores do estabelecimento prisional [de Castelo Branco]".

A DGRSP adianta ainda que, até ao momento, "não há qualquer outra situação registada" de tuberculose na prisão de Castelo Branco.

Entretanto, o recluso infetado foi já transferido para o Hospital Prisional de São João de Deus, em Caxias, segundo apurou a Lusa.