Pelo menos 3.000 ovelhas e algumas cabras morreram na zona de Oliveira do Hospital, devido ao fogo, o que compromete o futuro do queijo Serra da Estrela.

Segundo o presidente da Câmara local, José Carlos Alexandrino, "a maior parte" dos pequenos ruminantes que pereceram no incêndio de domingo "são ovinos da raça bordaleira" e de outras variedades autóctones cujo leite determina a pureza do queijo regional com Denominação de Origem Protegida (DOP).

"Está em causa o queijo Serra da Estrela", lamentou o autarca, reeleito nas autárquicas de 1 de outubro para um terceiro e último mandato.

Os fogos que assolaram há dois dias o concelho mataram ainda cerca de 5.000 aves, em capoeiras domésticas e pequenas explorações, numa "estimativa provisória" que inclui mais de mil perdizes.

José Carlos Alexandrino confirmou o número de vítimas humanas neste município do distrito de Coimbra já divulgado: oito mortos, 12 feridos graves e diversos ligeiros.

Em Oliveira do Hospital, um primeiro levantamento hoje analisado, numa reunião extraordinária do executivo municipal, aponta para cerca de 200 casas destruídas pelas chamas, sendo "mais de 100 de primeira habitação", revelou o presidente da Câmara.