Um acórdão do Supremo Tribunal Administrativo reduziu a indemnização a uma mulher vítima de erro médico porque o sexo perde importância com a idade. De acordo com o acórdão do STA a que o «Correio da Manhã» teve acesso, os juízes entenderam que «à medida que a idade avança, a importância do sexo vai diminuindo» e que a mulher, na altura com 50 anos, já tinha dois filhos.

Os factos ocorreram em 1995. A mulher que sofria de um problema ginecológico grave desde 1993, foi aconselhada pelos médicos da Maternidade Alfredo da Costa a fazer uma cirurgia, mas, segundo o «CM», um erro durante a operação que afetou um nervo, tornou a mulher incontinente e impediu-a de voltar a ter relações sexuais com o marido. A paciente também ficou desde essa altura com dificuldades em sentar-se e nunca mais pôde trabalhar.

Depois de ganhar o caso na primeira instância e de lhe ser atribuída uma indemnização de 175 mil euros, o STA vem, quase 20 anos depois da ocorrência dos factos, fixar a indemnização em 11 mil euros.

O «CM» acrescenta ainda que a vítima de erro médico sofre há vários anos de uma depressão e se sente «diminuída como mulher»