O incêndio que esta tarde começou no concelho da Guarda entrou no concelho de Almeida e tem quatro frentes que avançam em direção a quatro freguesias, disse à agência Lusa, o presidente da Câmara de Almeida.

Segundo o autarca de Almeida, António Baptista Ribeiro, pelas 22:50 o incêndio rural seguia "ao longo de toda a Ribeira das Cabras", em direção às freguesias de Freixo, Parada, Cabreira e Amoreira.

Não há vento, mas o incêndio está complicado. Está a lavrar nas duas margens da Ribeira das Cabras e com quatro frentes muito ativas", referiu o presidente da Câmara Municipal de Almeida, que está no terreno a acompanhar a situação.

O autarca acrescentou que, pelas informações que possui do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) da Guarda, não há nenhuma habitação atingida pelas chamas.

Contou que na aldeia de Freixo decorria esta noite um convívio com um grupo de espanhóis, que incluía a atuação de um rancho folclórico do país vizinho, tendo o espetáculo sido cancelado devido à proximidade do incêndio.

O fogo começou pelas 13:15 em Rochoso, no concelho da Guarda, e evoluiu para os concelhos vizinhos de Almeida e do Sabugal.

Pelas 23:15 o fogo rural estava a ser combatido por 272 operacionais e 93 viaturas, segundo informação disponibilizada na página da internet da Autoridade Nacional de Proteção Civil.

ASTA evacuada

As instalações da ASTA - Associação Sócio-Terapêutica de Almeida, na localidade de Cabreira, concelho de Almeida, foi evacuada esta noite devido à proximidade do fogo que lavra no concelho, disse à agência Lusa, o presidente da autarquia.

António Baptista Ribeiro, presidente da Câmara Municipal de Almeida, adiantou que às 23:00 a instituição foi evacuada e os 13 utentes e seis funcionários foram transportados para a Casa da Juventude de Almeida, "onde vão passar a noite".

Segundo o autarca, a decisão foi tomada por precaução, pois como a instituição apoia jovens com deficiência mental, foram retirados do local "para que não assistam a este cenário das chamas" que estão nas proximidades da aldeia de Cabreira.

Foi decidido e bem e entendeu-se que seria a melhor forma, porque o fogo está a aproximar-se", disse.

António Baptista Ribeiro contou que os jovens utentes da ASTA não corriam perigo, porque em redor das instalações "está tudo limpo" o que "evitaria a chegada do fogo".

Não é porque haja propriamente perigo, mas como as chamas se estão a ver daqui, entendemos levá-los para a Casa da Juventude de Almeida, para passarem a noite mais tranquila", rematou o autarca de Almeida.