A Polícia Judiciária deteve 52 pessoas nesta quinta-feira, no decorrer de uma operação de grande envergadura em Lisboa contra a "criminalidade organizada", nomeadamente tráfico de droga. A maioria dos detidos residem no Bairro da Cruz Vermelha e três deles foram apanhados em flagrante delito, na posse de armas proibidas ou estupefacientes.

A investigação durava há dois anos, explicou a coordenadora da PJ Patrícia Silveira aos jornalistas, e esta ação, que envolveu 260 investigadores das unidades de Lisboa, Setúbal, Leiria e Coimbra, por uma questão de proximidade e necessidade de meios no local, decorreu numa "fase intermédia da investigação". A operação visava especificamente "uma associação criminosa, perfeitamente estruturada, com liderança definida e que se dedicava à prática do crime de tráfico de estupefacientes".

A maior parte dos detidos, entre os quais se encontram nove mulheres, "tem antecedentes criminais" e alguns são considerados "perigosos". Ainda assim, esclareceu a coordenadora, a operação que previa a execução de "49 mandados de detenção e 100 mandados de busca" decorreu "sem qualquer atrito ou dificuldade", não havendo registo de incidentes no seu decurso.

Patrícia Silveira recusou aprofundar mais esclarecimentos sobre a investigação, por se encontrar "em segredo de justiça". A responsável adiantou, no entanto, que a investigação vai prosseguir em relação a todos os tipos de crime praticados por esta associação criminosa e que ainda está a ser apurado "tudo o que foi apreendido" nas buscas.

Os detidos vão ser presentes a partir de sexta-feira a primeiro interrogatório judicial para aplicação de eventuais medidas de coação