O teor de sal no pão vai baixar ainda mais a partir do próximo ano. Será assinado esta segunda-feira um protocolo entre o Estado e a indústria da panificação e pastelaria, que prevê uma redução gradual do teor de sal no pão entre o próximo ano e 2021.

Atualmente, a lei determina um teor de 1,4 gramas de sal por 100 gramas de pão. Vai baixar para:

  • 2018 - 1,3 gramas 
  • 2019 - 1,2 gramas
  • 2020 - 1,1 gramas
  • 2021 - (até ao final desse ano) 1 grama de sal por 100 gramas de pão

Esta redução será maior e antecipada no pão fornecido nas escolas: até 31 de dezembro de 2018 deve ter menos de um grama de sal por 100 gramas de pão.

As medidas visam ajudar a cumprir a meta de reduzir em 10% a média de quantidade de sal presente nos principais fornecedores alimentares de sal à população.

O pão já tinha visto o teor de sal ser reduzido em 2010, quando a legislação impôs um máximo de 1,4 gramas.

No caso dos pães considerados “produtos tradicionais com nomes protegidos” - como o Pão de Mafra, o Pão Alentejano ou a Broa de Avintes – o protocolo estabelece que seja feito um trabalho de caracterização e monitorização dos seus teores de sal e que se avance com um plano para a redução gradual.

No protocolo que será assinado hoje, Dia Mundial da Alimentação, a indústria da panificação e pastelaria compromete-se a reduzir os ácidos gordos trans (artificiais) dos seus produtos para valores inferiores a dois gramas por 100 gramas de gordura ou a 0,5 gramas na dose de produto consumida. Esta redução deve atingir-se no final de 2019.

A par destas reduções, será dinamizada uma campanha nacional para promover o consumo de pão.

A população portuguesa apresenta um consumo médio de sal de 7,3 gramas, um valor acima das recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) de cinco gramas por pessoa, por dia.