O Presidente da República lamentou hoje a morte do sem-abrigo português, encontrado sem vida na estação de metro de Westminster, em Londres, perto do parlamento britânico.

Numa nota divulgada no ‘site’ da Presidência da República, Marcelo Rebelo de Sousa diz lamentar “o falecimento, em circunstâncias desumanas,” do cidadão português, de 35 anos.

O Presidente da República manifesta também a sua solidariedade para com as pessoas que vivem em condições precárias, sem teto ou sem casa, apelando ao esforço de todos para a sua inclusão na sociedade”.

O Presidente da República vai, de resto, enviar uma mensagem ao líder trabalhista britânico para agradecer a homenagem prestada ao sem-abrigo português.

"Já fiz publicar uma nota no site da Presidência da República lamentando profundamente aquela morte. E acabo de preparar uma mensagem a enviar ao líder trabalhista que prestou homenagem a esse português, agradecendo ao senhor Corbyn esse gesto, que é para com todos os portugueses", disse aos jornalistas Marcelo Rebelo de Sousa, em Lisboa, à margem da cerimónia de encerramento do 60.º aniversário do Instituto Português do Sangue e da Transplantação (IPST).

Jeremy Corbyn enviou flores e escreveu um postal de homenagem à vítima de 35 anos e antigo modelo que morreu numa estação de metro londrina, presumivelmente devido às condições atmosféricas.

Isto não devia ter acontecido, como país, temos de parar de fazer de conta que não é nada connosco, descansa em paz", escreveu.

O Governo português confirmou na quinta-feira a morte de um cidadão português em Londres, que as autoridades locais tinham identificado como um sem-abrigo, e adiantou que os serviços consulares estão a tentar contactar a família do homem.

O alerta tinha sido dado na quarta-feira, pelas 07:16, por elementos da equipa de contacto da autarquia de Westminster, quando foi descoberto um homem sem respirar, levando à chamada dos serviços de emergência.

O incidente gerou alguma controvérsia por o homem ter sido encontrado perto do parlamento, levando o líder do partido Trabalhista, Jeremy Corbyn, a deixar um cartão de condolências e flores.