A atividade gripal mantém-se de baixa intensidade e com tendência decrescente em Portugal. É o que adianta o último Boletim de Vigilância Epidemiológica da Gripe do Instituto Ricardo Jorge.

A taxa de incidência de síndroma gripal na semana de 5 a 11 de fevereiro foi de 27,9 por 100.000 habitantes, quando no boletim divulgado a 8 deste mês a taxa era de 37,3.

Ainda assim, nessa semana, foram internados 17 doentes nas Unidades de Cuidados Intensivos por gripe.

Nos cuidados de saúde primários, o número e a proporção de consultas por síndrome gripal apresentam uma tendência decrescente pela quinta semana consecutiva.

No que se refere aos cuidados de saúde hospitalares, o comunicado da Direção Geral da Saúde (DGS) indica que se verificou uma diminuição da procura dos serviços de urgência nesta semana, bem como uma estabilidade do número de doentes internados (por todas as causas).

Nas últimas cinco semanas, a proporção de atendimentos por síndrome gripal em urgência hospitalar manteve-se estável”

A proporção de atendimentos na linha SNS 24 por síndrome gripal diminuiu e “verificou-se uma estabilidade no número de acionamentos registados pelo Instituto Nacional de Emergência Médica”, acrescenta.

De acordo com o Sistema de Vigilância Diária da Mortalidade, os valores da mortalidade por todas as causas registados na semana em análise estão “dentro do esperado”.