A casa do ex-presidente do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) Paulo Campos foi esta quinta-feira alvo de buscas da Polícia Judiciária (PJ), disse fonte ligada ao processo.

A PJ está esta quinta-feira a fazer novas buscas no INEM, relacionadas com novas suspeitas de corrupção, que envolvem Paulo Campos e abrangem empresas de contratação pública envolvidas na logística do Instituto Nacional de Emergência Médica. As buscas, algumas domiciliárias, decorreram em Lisboa e no Porto.

Paulo Campos é suspeito de ter favorecido empresas em concursos para aquisição de ambulâncias e formação de técnicos.

Fonte ligada ao processo tinha afirmado à TVI que Paulo Campos era arguido, mas a Procuradoria-Geral da República esclareceu entretanto que o inquérito que envolve um instituto público e investiga suspeitas de corrupção, participação económica em negócio e abuso de poder não tem até ao momento qualquer arguido constituido.

A mesma fonte adiantou que a investigação está relacionada com casos de contratação pública ligados ao INEM. Esta operação não está, no entanto, relacionada com a detenção do ex-presidente Luís Cunha Ribeiro, suspeito de corrupção.

A Procuradoria-geral da República divulgou ainda durante a manhã de hoje que as várias buscas decorreram “no âmbito de um inquérito em que se recolhem indícios da prática dos crimes de corrupção ativa e passiva, participação económica em negócio e abuso de poder”.

A investigação visa a atuação do responsável principal desse instituto, por factos indiciariamente praticados no exercício das suas funções públicas e com violação dos deveres inerentes”, informou a PGR.

A operação está a cargo da Unidade Nacional de Combate à Corrupção (UNCC) da PJ, é dirigida e tem a participação de magistrados do Ministério Público (MP) da 9ª secção do Departamento de Investigação e Acção Penal (DIAP) de Lisboa.