A Câmara Municipal de Seia declarou hoje a situação de alerta no seu território devido aos incêndios que estão a originar uma situação "muito complicada", com aldeias em risco.

O presidente da autarquia de Seia, Carlos Filipe Camelo, disse à agência Lusa, que devido aos fogos rurais que atingem o território concelhio, localizado na área da Serra da Estrela, no distrito da Guarda, a situação "está muito complicada".

O autarca referiu, pelas 19:00, que as chamas estavam próximas de aldeias como Paranhos da Beira e Pereiro, onde apontava a existência de "complicações".

Segundo Carlos Filipe Camelo, para além do vento que por vezes soprava forte, no terreno "há dificuldades" e "há falta de meios" para apagar as chamas.

Sobre o estado de alerta decretado pelo presidente da Câmara Municipal de Seia, a autarquia refere, em nota enviada à agência Lusa, que o mesmo surge na sequência da ocorrência de dois incêndios florestais no concelho, "dos quais resultaram avultados prejuízos materiais em equipamentos públicos e privados e uma vasta área ardida (ainda por quantificar)".

A declaração da situação de alerta corresponde às freguesias de Sabugueiro, Pinhanços, Sandomil e União de Freguesias de Torroselo e Folhadosa, Carragosela e Várzea, Sameice e Santa Eulália, Tourais e Lajes, Santiago e Paranhos da Beira, São Martinho e Santa Marinha, Seia, São Romão e Lapa dos Dinheiros.

A decisão do autarca de Seia "produz efeitos imediatos" e é válida "por um período estimado de dois dias a contar da data de assinatura, sem prejuízo de prorrogação na medida do que a evolução da situação concreta o justificar".

A nota adianta ainda que, na área atingida pelos incêndios, são adotadas medidas preventivas "no sentido das pessoas permanecerem em suas casas, com portas e janelas fechadas, tendo em vista evitar a inalação de fumo".

"Estes cuidados devem ser redobrados, particularmente no que se refere aos grupos mais vulneráveis", acrescenta.

A autarquia de Seia adianta que convocou ainda a Comissão Municipal de Proteção Civil local para uma reunião extraordinária, tendo em vista, nomeadamente, "proceder à coordenação política e institucional das ações a desenvolver e decidir quanto à ativação do Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil".

Segundo a página na internet da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), pelas 19:50 o incêndio que começou pelas 06:03 no Sabugueiro estava a ser combatido por 306 operacionais e 93 veículos.

O incêndio, que está ativo com quatro frentes, avança numa zona de mato, segundo a fonte.

O outro fogo rural no concelho de Seia começou em Sandomil, pelas 10:26, e está a ser combatido por 140 homens e 45 veículos.

O incêndio com quatro frentes ativas levou ao corte da Estrada Nacional 17, segundo a ANPC.