Dezassete militares desistiram, esta quinta-feira, do 127º curso de comandos do Exército, precisamente no dia em que o curso recomeçou, depois da morte de dois instruendos. O porta-voz do Exército, tenente-coronel Vicente Pereira disse à TVI que o oficial, os quatro sargentos e os 12 soldados "compareceram hoje no Regimento de Comandos, na Serra da Carregueira, Sintra, e informaram que pretendiam desistir do curso”. A desistência foi aceite de imediato. 

A desistência foi aceite de imediato. Foi já aberto um processo administrativo para que estes militares regressem às unidades de origem.

O 127.º curso de comandos esteve suspenso por decisão do chefe do Estado-Maior do Exército na sequência da morte de dois instruendos. O primeiro militar morreu no domingo dia 4 de setembro, poucas horas depois de se ter sentido mal durante a instrução. O jovem terá sido vítima de um "golpe de calor".

Outros seis militares foram assistidos no Hospital das Forças Armadas. Um deles teve complicações hepáticas e acabou também por morrer, seis dias depois de ingressar no hospital. 

Depois disso, três militares tiveram já alta hospitalar e dois permanecem internados. 

O 127º curso foi retomado esta quinta-feira, depois de avaliadas as condições físicas e de saúde dos mais de 63 instruendos. Ninguém revelou problemas nestes exames médicos, mas 17 acabaram por desistir.