Notícias mais animadoras a esta hora, 12:00 em Vila de Rei, o fogo começa a ceder e já está em fase de resolução, segundo o site da Autoridade Nacional da Proteção Civil.

A grande prova serão as três da tarde que trará mudança de vento e calor, que podem alterar a situação, agora mais calma", segundo a jornalista da TVI no local, Andreia Jorge Luís.

O fogo de Vila de Rei teve origem no incêndio de Ferreira do Zêzere, no distrito de Santarém, que deflagrou na sexta-feira. 

A meio da manhã o incêndio que afeta a Serra da Gardunha, Fundão, continuava a avançar "com muita intensidade, numa área gigante", havendo várias aldeias na linha do fogo e alguns pomares de cereja ameaçados.

O incêndio, que começou em Castelo Branco, no domingo, e que alastrou, ao meio da tarde desse dia, ao território do Fundão, "continua a lavrar com muita intensidade", com "frentes descontroladas", disse à agência Lusa o presidente da câmara do Fundão, Paulo Fernandes.

Ontem, quatro bombeiros ficaram feridos, sem gravidade, em Alcongosta, também no concelho do Fundão, esta noite, durante as operações de combate ao incêndio florestal que lavra na Serra da Gardunha, desde domingo, disse fonte da Proteção Civil.

É mais um sinal da noite trabalhosa que se viveu naquela região do país. O acidente ocorreu pela 1:02 de hoje, na povoação de Alcongosta, disse à agência Lusa fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Castelo Branco, adiantando que os feridos foram transportados para o Hospital da Covilhã.

Os bombeiros feridos eram ocupantes de um veículo de combate a incêndios da corporação de Voluntários do Fundão, no distrito de Castelo Branco, que resvalou por uma ravina, na aldeia de Alcongosta, constatou a agência Lusa no local.

O veículo procedia, então, a uma manobra de reposicionamento, no âmbito do reforço de meios de combate às chamas, que continuam a lavrar com intensidade na Serra da Gardunha, desde as 1:27 de domingo.

Mais de mil operacionais no fogo de Louriçal do Campo e Vila de Rei

Esta manhã, no habitual briefing da manhã da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), Patrícia Gaspar, disse que "hoje as indicações dos números são mais positivas que as dos últimos dias". Ontem formam registados 148 incêndios, a maioria das quais no distrito do Porto.

Desde a meia noite, já foram registadas um total de 30 ocorrências, sendo que destas estão em curso três, e duas vinham do dia anterior - as ocorrências ativas de Castelo Branco.

Patrícia Gaspar fala de "uma noite e uma tarde muito trabalhosas" ontem. De momento são acompanhadas duas ocorrências "com muita expressão e significado", que concentram mais de mil operacionais: Louriçal do Campo e Via de Rei.

Já o número de feridos registados desde quarta-feira devido aos incêndios subiu para 55. A adjunta de operações ANPC revelou que destes 55 feridos, 51 são leves e quatro graves, e que são contabilizados desde quarta-feira, dia em que começou o primeiro incêndio em Abrantes e teve início o maior número de ocorrências.

O incêndio, que desde sexta-feira lavrava em Ferreira do Zêzere, no distrito de Santarém, foi hoje dominado, de acordo com a ANCP.

Este fogo, que na noite de segunda-feira já dava sinais de abrandar, foi dominado às 5:52, indicou à Lusa o Comando Distrital de Operações de Socorro de Santarém.

Em termos de previsões meteorológicas, a responsável da Proteção Civil fala de "novo aumento da temperatura, sobretudo nas regiões do interior a alentejo, que tende a alcançar, em alguns pontos os 40 graus, com as mínimas também a chegar em alguns locais aos 20 graus".

Um cenário que se deve manter para quarta-feira.

Além das ajudas de Marrocos e Espanha, mantêm-se no terreno os 620 militares da Marinha e do Exército e da Força Aérea.

O estado de alerta "laranja" para todos os distritos.

No que toca às vias de trânsito todas já estão reabertas à exceção de N18 entre Castelo Novo e Alcains.