O presidente da Câmara de Mesão Frio, Alberto Pereira, disse esta segunda-feira que vai precisar de “meio milhão de euros” para repor os estragos causados pelo mau tempo nas estradas e muros de suporte do concelho duriense.

Depois de uma primeira avaliação dos estragos causados pela chuva intensa nas infraestruturas públicas do concelho, localizado em pleno Douro Património Mundial da Humanidade, o autarca socialista referiu que o município vai precisar de “cerca de meio milhão de euros”.

“Vamos ter que pedir ajuda ao Governo e, ou me ajudam financeiramente, ou então têm que me autorizar a ir à banca pedir um empréstimo porque a câmara não tem capacidade económica para repor a normalidade”, salientou.

O município de Mesão Frio, distrito de Vila Real, está em saneamento financeiro, pelo que o acesso à banca só pode ser feito através de um “empréstimo a título excecional”.

O pedido de ajuda ao Governo vai seguir entre hoje e terça-feira.

Alberto Pereira referiu que foram muitos os muros que caíram, as derrocadas que caíram para as estradas ou mesmo os caminhos que aluíram.

O autarca chamou ainda a atenção para o facto de a maior parte das ocorrências se registar em locais onde foram feitos trabalhos recentes nas vinhas, a chamada reestruturação da vinha, e questionou a forma como estes poderão a ser feitos.

“O grande problema é onde há saibramentos novos porque as águas são viradas para zonas onde normalmente não havia, as linhas de água são alteradas, e agora somos nós que vamos ter que resolver estes problemas todos”, frisou.

Para já, com os meios disponíveis a autarquia duriense está a proceder à limpeza e desobstrução de algumas vias para garantir o acesso em segurança a todas as localidades do concelho.

No município vizinho do Peso da Régua, esta manhã os técnicos da autarquia fizeram uma peritagem a uma casa que sofreu danos devido ao mau tempo, na zona da ribeira do Rodo, e concluíram que “não possui condições de habitabilidade”.

“A família está a ser acompanhada pelo nosso gabinete de ação social”, salientou o responsável pela Proteção Civil municipal, Manuel Saraiva. Nesta casa vive um casal e duas filhas de 10 e 16 anos.

Também neste concelho, prosseguiram hoje as operações de limpeza e desobstrução de vias.

“Estamos ainda a analisar os estragos que o mau tempo provocou”, salientou o responsável.