Os detidos no âmbito de uma investigação relacionada com a atribuição de vistos gold começaram a ser encaminhados para o Tribunal Central de Instrução Criminal (TCIC), no Campus da Justiça de Lisboa.

Fonte judicial disse à Lusa que, cerca das 16:30 desta sexta-feira, foi pedido o transporte dos detidos, entre os quais o diretor nacional do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, Manuel Jarmela Palos, o presidente do Instituto dos Registos e Notariado, António Figueiredo, e a secretária-geral do Ministério da Justiça, Maria Antónia Anes.

Os 11 detidos na quinta-feira serão presentes aos juízes Carlos Alexandre e João Bartolo, para serem identificados, não sendo líquido que sejam ouvidos hoje.

O inquérito investiga suspeitas de crimes de corrupção, tráfico de influências, peculato e branqueamento de capitais, na atribuição de vistos gold.

No âmbito da investigação, foram realizadas seis dezenas de buscas em vários pontos do país, incluindo nos ministérios da Administração Interna, da Justiça e do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia.

O programa de atribuição de vistos gold, criado em 2013, prevê a emissão de autorizações de residência para estrangeiros oriundos de fora do espaço Schengen que façam investimentos em Portugal, por um período mínimo de cinco anos.