A Direção-Geral da Saúde (DGS) revelou esta sexta-feira que o número de infetados com legionella subiu para 316, com mais novos cinco casos de infeção desde quinta-feira, mantendo-se sete vítimas mortais confirmadas.

Foram reportados, desde ontem, 5 novos casos de infeção por Legionella com ligação ao surto de Vila Franca de Xira. Em termos acumulados, verificaram-se, até agora, 316 casos, dos quais 308 foram internados na Região de Lisboa e Vale do Tejo, 3 na Região Norte, 4 na Região Centro, 1 na Região do Algarve. Dos doentes internados na Região de Lisboa e Vale do Tejo, 44 já tiveram alta clínica, bem como um dos doentes internados na Região Norte.. 

O balanço de sete vítimas mortais mantém-se, todos com idades entre os 52 e 81 anos, seis deles homens.

Segundo a DGS, a taxa de letalidade estimada do surto de legionella, na zona de Vila Franca de Xira, é até ao momento de 2,2%.

Para esta sexta-feira está marcada a apresentação dos resultados dos estudos epidemiológicos efetuados pela taskforce constituída para acompanhar o surto de legionella em Vila Franca de Xira.

No encontro, marcado para as 17:00, estarão presentes os ministros da Saúde, Paulo Macedo, e do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia, Jorge Moreira da Silva.

Os primeiros casos diagnosticados do surto de legionella surgiram na região de Vila Franca de Xira, na passada sexta-feira.

A doença do legionário, provocada pela bactéria ‘Legionella pneumophila', contrai-se por inalação de gotículas de vapor de água contaminada (aerossóis) de dimensões tão pequenas que transportam a bactéria para os pulmões, depositando-a nos alvéolos pulmonares.