Portugal pode ser um dos países solicitados pela Comunidade das Caraíbas para pagar indemnizações pela escravatura e pelo genocídio de indígenas, disse na segunda-feira um participante na conferência sobre o tema, que decorre em Antígua e Barbuda.

Don Rojas, diretor de comunicação do Instituto do Mundo Negro Século XXI, declarou à agência noticiosa espanhola Efe que Portugal, bem como Espanha, Reino Unido, França, Holanda e Suécia são os países europeus que estão a ser analisados por aquela comunidade (Caricom) para lhes reclamarem indemnizações por aqueles factos ocorridos há séculos.

«O plano do Caricom para a justiça reparadora é um documento excelente, porque dá uma estrutura para as negociações futuras com antigas potências colonizadoras que participaram no comércio de escravos», considerou Rojas.

O presidente da Caricom, Baldwin Spencer, defendeu hoje que o comércio internacional de escravos levou à separação e destruição de muitas famílias, bem como de «valores culturais, tradições, crenças e bens dos povos» caribenhos.

«As atrocidades cometidas contra o nosso povo estão entre os piores exemplos da barbárie humana. Este comércio institucionalizado de seres humanos e as atrocidades que o acompanharam resultaram no subdesenvolvimento das Caraíba e de África 180 anos depois da sua abolição», disse.

Desta forma, o também primeiro-ministro de Antígua e Barbuda fundamentou a reivindicação de compensações que as ex-colónias das Caraíbas procuram obter das antigas potências europeias.

Para analisar a intenção e a estratégia para a concretizar, os 15 membros da Caricom começaram na segunda-feira a II Conferência da Comissão de Compensações da Caricom, em Antígua e Barbuda.

Os países que integram esta comunidade são Antígua e Barbados, Bahamas, Barbados, Belize, Dominica, Granada, Guiana, Haiti, Jamaica, Montserrat, Santa Lúcia, São Cristóvão e Neves, San Vicente e Granadinas, Suriname e Trindade e Tobago.

Spencer insistiu em deixar claro que, com estas reivindicações, a Caricom não procura um confronto com a Europa, uma vez que, disse, estes Estados não consideram os europeus responsáveis «pelos demónios das classes dominantes que controlaram as suas sociedades e se enriqueceram graças à crueldade e à barbaridade a que submeteram os [nossos] antepassados nesta região».