O excesso de peso diminuiu a esperança média de vida em um ano, número que sobe para 10 anos em caso de obesidade severa, revela um estudo hoje divulgado.

O estudo refuta conclusões anteriores de que algum excesso de peso não representava um perigo.

São apontadas evidências de que o risco de morrer antes dos 70 anos cresce de “forma constante e acentuada” com o aumento da cintura.

“O estudo demonstra definitivamente que o excesso de peso ou a obesidade estão associados ao risco de morte prematura”, escreve o autor do estudo Emanuele Di Angelantonio, da Universidade de Cambridge.

Aumentam todos os riscos de doença cardíaca, acidente vascular cerebral, doenças respiratórias e cancro, afirmou.

Usando os dados de quase quatro milhões de adultos em quatro continentes, o estudo, divulgado na revista médica The Lancet, descobriu que as pessoas com excesso de peso perdem em média um ano de vida e as pessoas moderadamente obesas três anos.

“Os obesos severos perdem 10 anos de esperança média de vida”, disse Emanuele Di Angelantonio.

O estudo revelou também que o risco de mortalidade é três vezes maior nos homens do que nas mulheres.

Em 2014, segundo dados da Organização Mundial de Saúde, mais de 1,9 mil milhões de adultos tinham excesso de peso e 600 milhões eram obesos.

Conclui-se também que há um elevado risco de morte prematura em pessoas abaixo do peso normal.