Cinco pessoas ficaram feridas, duas em estado grave, na sequência de uma fuga de gás que provocou "duas fortes explosões" num prédio no bairro de Alfama, em Lisboa, acabando por provocar também um pequeno incêndio. Uma informação confirmada à TVI pelos bombeiros. Há ainda sete pessoas desalojadas devido ao incidente.

Em declarações à Lusa, o presidente da Junta de Freguesia de Santa Maria Maior, Miguel Coelho, adiantou que o alerta foi dado cerca das 19:30, após uma "fuga de gás" que provocou "duas fortes explosões", desconhecendo, para já, mais pormenores.

Álvaro Filho, que está há 11 meses em Lisboa e que veio do Brasil para Portugal para fazer o seu doutoramento, vive no primeiro andar deste prédio de Alfama, onde ainda não entrou desde que se deu a explosão por não ter tido permissão das autoridades.

Em declarações à Lusa, disse que "tem sido recorrente o cheiro a gás desde há cinco meses" e que "várias vezes a EDP vem ao prédio", o que foi o caso também esta manhã, adiantando que se tratava de um "problema elétrico".

Estava muito fumo. Os bombeiros vieram cá por volta da hora de almoço, desligaram a luz e voltaram a ligar e disseram-nos que podíamos fazer as coisas em casa e usar a eletricidade", relatou ainda Álvaro Filho, que contou ainda que o prédio tem quatro andares e que os dois últimos são de alojamento local.

No local, a Lusa falou também com Maria do Carmo, proprietária do escritório do rés-do-chão do prédio, que disse que "houve duas explosões", uma por volta das 17:00 e outra cerca das 19:00, tendo sido esta última que deu origem ao incêndio.

"Desde de manhã que se sentia o cheiro a gás", afirmou, acrescentando que a equipa da EDP que esteve hoje no local lhe disse para "desligar o contador".

O vereador responsável pelo pelouro da segurança e proteção civil da Câmara de Lisboa, Carlos Castro, explicou, no local, que os feridos estavam todos dentro do edifício e alguns são estrangeiros.

Há o perigo de a fachada do prédio ruir, acrescentou Carlos Castro aos jornalistas no local.