O PSD vai pedir explicações ao Governo sobre a cedência de três médicos de Bragança para colmatar a escassez no verão no Algarve, defendendo que estes deviam sair dos hospitais centrais e não de um distrito com carências.

A Unidade Local de Saúde (ULS) do Nordeste informou hoje que cedeu temporariamente, de julho a setembro, três médicos especialistas ao Algarve para atenuar a escassez verificada em algumas especialidades naquela zona durante o verão.

Em declarações à agência Lusa, o deputado do PSD eleito pelo círculo de Bragança Adão Silva afirmou vai pedir “explicações ao Governo”, através de perguntas entregues no parlamento para o Ministério da Saúde, sobre esta “situação absurda” já que deveriam ser colocados médicos do Algarve, mas retirando-os dos hospitais centrais de Lisboa, Porto e Coimbra.

“Esta situação nunca existiu no passado, ou seja, retirar médicos hospitalares que servem, e bem, a população do distrito de Bragança, onde são poucos, nomeadamente ortopedistas e a anestesistas, para os colocar no Algarve”, criticou.

Segundo Adão Silva, “o Governo, com isto, deixa a população do distrito de Bragança sem médicos – dois ortopedistas e um anestesista – para colocar no Algarve”, realçando que há “imensas carências de médicos no distrito de Bragança, em várias especialidades”.

“Achamos que o Governo devia aprender com o Zé do Telhado, que tirava a quem tinha muito para dar a quem tem pouco ou não tinha nada. Agora tirar a quem tem pouco para dar a quem não tem nada, nem ao Zé do Telhado, na sua justiça primordial, passava esta ideia pela cabeça”, criticou.

Para o deputado trata-se de “um absurdo e um exercício de injustiça”.

“Se o Governo faz contratos especialmente estimulantes para os médicos irem do resto do país para o Algarve, a minha pergunta é esta: então o Governo não faz também contratos estimulantes para outros médicos do resto do país irem para Bragança, onde são tão carenciados?”, questionou ainda.

Adão Silva vai também pedir ao Governo que disponibilize estes contratos, assegurando que o PSD tem um princípio de solidariedade com o Algarve, mas esta deve ser feito por quem já não tem.

Segundo explica em comunicado o Gabinete de Comunicação da ULS do Nordeste, trata-se de uma decisão tomada em conjunto com a Administração Regional de Saúde (ARS) do Norte, no âmbito da partilha de recursos humanos, “dentro do espírito de entreajuda e de resposta às necessidades onde é necessária”.

A ULS do Nordeste dispensou uma equipa composta por dois ortopedistas e um anestesista aos hospitais do Algarve com a garantia por parte dos responsáveis de que não afetará os serviços no distrito de Bragança, a área abrangida por esta Unidade Local de Saúde.