O governo dos Açores anunciou esta segunda-feira o aumento dos descontos nas mensalidades das creches da região para famílias com dois ou mais filhos.

- Quando uma família tem dois filhos a frequentar uma creche, a mensalidade passa a ter um desconto de 30% (é 20% atualmente)

- Caso a família tenha três ou mais filhos a frequentar creches, o desconto será de 50% a partir do terceiro


Foi o próprio presidente do governo regional quem fez este anúncio. Vasco Cordeiro falava na cerimónia de lançamento da primeira pedra de uma nova creche em Ponta Delgada, no bairro do Paim, obra que tem um prazo de conclusão de 14 meses e terá capacidade para acolher 84 crianças.

O projeto resulta de uma parceria entre o Patronato de São Miguel (uma instituição particular de solidariedade social - IPSS) e o executivo regional, que prevê financiar com até 2 milhões de euros a construção da creche e a compra de mobiliário e outros equipamentos, nota a Lusa.

Vasco Cordeiro destacou que este é um projeto que "assume particular importância" para a cidade de Ponta Delgada e que, no conjunto da região, estão previstas novas creches e a requalificação de outras já existentes que levarão à criação de mais de 200 novos lugares.

Segundo o presidente do executivo regional, com estes projetos, os Açores alcançam "os valores definidos a nível europeu como taxas de cobertura ao nível de creches" e no que toca às "valências de jardim-de-infância e de centros de ocupação de tempos livres, a oferta disponível já preenche esses critérios europeus, inclusive, em alguns casos, está um pouco acima".

"Num momento em que se fala e que se tem falado da reforma da nossa autonomia ao nível daquilo que é a sua configuração constitucional, daquilo que é a sua configuração de órgãos, gostaria hoje aqui de dizer-vos que isto que estamos aqui a fazer, o apoio a esta obra, o apoio às outras obras que referi, esta questão do desconto, tudo isto é também fruto da nossa autonomia", sublinhou.

Vasco Cordeiro considerou que a autonomia "produz resultados" e "benefícios em favor das famílias e das empresas açorianas" e "essa é também uma das razões pelas quais existe".

"Estas questões mais palpáveis, mais concretas e este nosso modelo de autogoverno é também essencial para termos consciência da sua utilidade, da sua importância e do seu mérito", acrescentou.