Os automóveis com matrículas anteriores a 2000 e a 1996 já não podem circular, entre as 07:00 e as 21:00 dos dias úteis, no centro da cidade de Lisboa. A proibição entrou em vigor esta quinta-feira, dia 15 de janeiro.

As restrições de circulação para os carros com matrículas anteriores a 2000 dizem respeito à zona 1, que vai do eixo da Avenida da Liberdade à Baixa (limitada a norte pela Rua Alexandre Herculano, a sul pela Praça do Comércio e abrangendo a zona entre o Cais do Sodré e o Campo das Cebolas).

Já os carros com matrículas anteriores a 1996 ficarão impedidos, a partir de quinta-feira, de circular na zona 2 (definida pelos limites Avenida de Ceuta, Eixo Norte-Sul, Avenidas das Forças Armadas, dos Estados Unidos, Marechal António Spínola, do Santo Condestável e Infante D. Henrique).

Estas restrições de circulação enquadram-se na terceira fase das Zona de Emissões Reduzidas (ZER). A segunda fase foi implementada em 2012 e a primeira criada em 2011.

Excetuam-se, a estas restrições, os veículos de emergência, históricos, de residentes, de polícia, militares, de transporte de presos, blindados de transporte de valores, os carros a gás natural, GPL e os motociclos.

Os táxis terão um período de exceção até 30 de junho.

Cem multas por ano até agora

Cerca de uma centena de automóveis foram multados por ano, desde julho de 2011, em Lisboa, por circularem indevidamente em Zonas de Emissão Reduzida (ZER), disse à agência Lusa o Diretor Municipal de Mobilidade e Transportes.

Segundo Tiago Farias, os automóveis infratores foram detetados durante as «campanhas regulares» de fiscalização levadas a cabo pela autarquia em conjunto com a Polícia Municipal. Ambas realizam regularmente «campanhas aleatórias com uma forte parte pedagógica, de informação». «Este ano, e ainda estamos em janeiro, já fizemos várias», afirmou Tiago Farias.

O objetivo destas restrições à circulação é «garantir que, de forma progressiva, a cidade tenha veículos de emissão reduzida».

Medida alvo de críticas

Os condutores e o Automóvel Clube de Portugal criticam as novas regras. O ACP diz que restrição à circulação em Lisboa é «medida avulso» e de «exclusão social».