A presidente da Raríssimas, Paula Brito e Costa, demitiu-se esta terça-feira, três dias depois da apresentação de uma reportagem da TVI sobre alegadas irregularidades na gestão da instituição. A TVI sabe que Paula Brito e Costa reuniu esta terça-feira de manhã todos os funcionários da instituição e comunicou-lhes que ia deixar a instituição. 

Paula Brito e Costa falou ao jornal Expresso sobre a demissão e garantiu ter sido alvo de "uma cabala muito bem feita".

A minha presença já está a afetar a instituição e tenho de sair. Esta é uma cabala muito bem feita", disse Paula Brito e Costa, em declarações ao Expresso, que acrescenta que as declarações foram prestadas com voz embargada.

Deixo à Justiça o que é da Justiça, aos homens o que é dos homens e ao meu país uma das maiores obras, mas mesmo assim saio. Presa só estou às minhas convicções." 

Paula Brito e Costa estaria a negociar o abandono de funções com o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, desde a manhã de segunda-feira. Mas a ideia inicial não seria a demissão, mas um afastamento temporário, enquanto estivessem a decorrer as investigações. A opção chegou a ser estudada, mas a figura da suspensão temporária não existe no quadro das IPSS. 

Veja aqui na íntegra a reportagem:

Esta terça-feira, num comunicado enviado à Agência Lusa, a direção da Casa dos Marcos, unidade para doentes raros criada pela associação Raríssimas, tratava já Paula Brito e Costa como ex-presidente. O conselho diretivo e a coordenação da Casa dos Marcos refere, em nome dos trabalhadores, que tem orgulho de trabalhar “numa instituição que prossegue uma das missões mais nobres de uma sociedade, ou seja, a atenção e o cuidado devidos a quem não pode cuidar de si próprio e vive numa permanente situação de necessidade”.

Neste momento é nosso dever transmitir que nos mantemos, como até agora, a cumprir as nossas funções e que não estão em causa quaisquer serviços prestados na Casa dos Marcos. Antes de mais, demarcamo-nos de toda e qualquer atitude menos ética ou ilícita que tenha sido praticada em nome da instituição, seja pela ex-presidente ou por qualquer membro da direção, e reafirmamos a lealdade, apenas e só, à causa para a qual trabalhamos”, refere a nota.

Esta segunda-feira, depois da emissão da reportagem da TVI, foi criada uma petição pública a pedir a “demissão imediata” da presidente da Associação Raríssimas. Em cerca de 24 horas, a petição atingiu mais de dez mil assinaturas.

A delegação centro da Associação Raríssimas tinha pedido também a convocação de uma Assembleia Geral extraordinária para deliberar sobre a destituição de Paula Brito e Costa.

Paula Brito e Costa demite-se no mesmo dia em que também o secretário de Estado da Saúde, visado na reportagem da TVI, teve a mesma atitude. Manuel Delgado, que foi contratado em 2013, saberia que a situação da Rarissímas era insustentável do ponto de vista financeiro e que lhe seriam pagos 3.000 euros por mês com os subsídios do próprio Estado, destinados a apoiarem crianças com doenças raras. 

O Ministério Público está a investigar a Raríssimas, após uma denúncia anónima relativa a alegadas irregularidades na gestão financeira e ao uso indevido de dinheiros da associação pela sua presidente, revelou a Procuradoria-Geral da Republica (PGR) na segunda-feira.

Além da situação de gestão danosa denunciada pela TVI, há  uma outra denúncia sobre a gestão danosa da presidente da Rarissímas, datada do início deste ano, que terá desaparecido do Instituto da Segurança Social. Paula Brito da Costa terá sido também questionada sobre viagens suspeitas que fazia através da Federação das Doenças Raras (FEDRA). A queixa, com aviso de receção e registada, deu entrada em janeiro, mas o seu presidente, Rui Fiolhais, nega ter conhecimento dessa carta.