Já é conhecida a sentença o inspetor da Polícia Judiciária acusado de desviar 200 mil euros durante as buscas a uma residência em Cascais, no âmbito do processo "Rota do Atlântico". O polícia foi condenado a quatro anos e meio de prisão.

O caso remonta a fevereiro do ano passado quando três inspetores, entre eles o arguido, realizaram buscas a uma moradia na Quinta da Marinha em Cascais, habitualmente utilizada pelo ministro das Finanças da República do Congo.

Na altura, o arguido ter-se-á apoderado, ilicitamente, de 200 mil euros.

O inspetor da PJ gastou parte da quantia em bens e serviços incompatíveis com o seu padrão de vida.

Foi acusado de peculato e encontra-se em prisão preventiva no estabelecimento prisional de Évora desde julho de 2016.

O Ministério Público tinha pedido uma pena de prisão não inferior a seis anos e uma pena acessória de proibição de exercício de funções.