Combatentes talibãs tentaram hoje invadir Ghazni, no sudeste do Afeganistão, causando a morte a pelo menos 14 polícias afegãos e mais de cem baixas entre os rebeldes extremistas, informaram as autoridades locais.

Vários cadáveres de combatentes talibãs permanecem nas ruas depois do assalto ter sido repelido pelas forças de segurança afegãs, disse o chefe da polícia de Ghazni, que fala em mais de uma centena de baixas entre os talibãs, sem precisar o número de mortos e feridos.

O ataque a Ghazni, capital da província com o mesmo nome, também causou ferimentos em pelo menos 20 membros das forças de segurança, disse o administrador do hospital da cidade, Baz Mohammad Hemat.

Outro ataque dos talibãs, na quinta-feira à noite na província de Herat, resultou na morte de seis polícias, segundo o porta-voz do governador, Gelani Farhad.

Em Ghazni, o ataque foi marcado por intensos tiroteios e incêndios em várias lojas nas áreas residenciais da cidade, disse o chefe de polícia da província, Farid Ahmad Mashal, à agência de notícias Associated Press.

O porta-voz do Ministério da Defesa afegão, Mohammad Radmanish, disse que o exército ajudou a polícia e que a cidade foi colocada sob controlo das forças do governo.

O porta-voz dos talibãs, Zabihullah Mujahid, afirmou que algumas zonas de Ghazni foram tomadas pelos fundamentalistas islâmicos e que dezenas de pessoas foram mortas.

A estrada de Cabul para as províncias do sul do Afeganistão foi fechada porque atravessa Ghazni.