Nove pessoas foram detidas pela GNR e PSP na operação conjunta no âmbito da investigação às agressões que ocorreram em maio na Academia do Sporting, em Alcochete, e serão ouvidas pelo Juiz de Instrução Criminal do Barreiro para aplicação das medidas de coação adequadas.

A Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa, em comunicado, informa que "no decurso das investigações entretanto levadas a cabo foram emitidos 5 mandados de busca domiciliária" e ainda que "foram detidos nove novos suspeitos, na sequência da emissão de mandados de detenção fora de flagrante delito, por existirem fortes indícios de comparticipação nos factos ocorridos no dia 15.05.2018 cerca das 17h, na Academia do Sporting Clube de Portugal".

A nota da PGDL diz ainda que estes elementos foram detidos por serem "susceptíveis de integrar a prática dos crimes de introdução de lugar vedado ao público, ameaça agravada, ofensa à integridade física qualificada, sequestro, dano com violência, detenção de arma proibida agravado, incêndio florestal, resistência e coação sobre funcionário e terrorismo".

Oito dos nove detidos foram levados esta tarde para o Tribunal do Barreiro para serem ouvidos. 

Esta foi uma operação que contou com a presença de 40 elementos da GNR e de 80 elementos da PSP e decorre de uma investigação dirigida pelo Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa às agressões a jogadores e técnicos da equipa de futebol do Sporting, no passado dia 15 de maio, levadas a cabo por cerca de 40 alegados adeptos encapuzados.

Na altura, a GNR deteve 23 dos atacantes, que permanecem em prisão preventiva.

Mais tarde, a 5 de junho, foram detidas pelas autoridades mais quatro pessoas, entre elas o antigo líder da Juventude Leonina Fernando Mendes, que também ficaram em prisão preventiva.

Ao todo, com as detenções efetuadas na segunda-feira, estão detidas 36 pessoas relacionadas com este caso.

Os arguidos estão indiciados por vários crimes, nomeadamente sequestro, ofensa à integridade física qualificada, introdução em lugar vedado ao público, dano com violência, terrorismo, resistência e coação sobre funcionário.