A equipa da Polícia Marítima (PM) em missão na Grécia resgatou 55 afegãos "em pânico", no meio da travessia entre a Turquia e a ilha grega de Lesbos, indicou esta quarta-feira a Autoridade Marítima Nacional (AMN).

Em comunicado, a AMN adianta que a embarcação em que seguiam os 55 afegãos, 12 dos quais crianças e bebés, estava a entrar com grandes dificuldades em águas territoriais gregas, encontrava-se com o motor avariado, sem propulsão e à deriva, sob influência das correntes marítimas.

Durante o resgate, geraram-se "momentos de grande tensão" entre os migrantes, uma vez que "não conseguiam entender que a equipa da Polícia Marítima os iria salvar a todos, nem conseguiam entender que era necessário manter a calma e cumprir as regras de segurança transmitidas”, refere a AMN, indicando que os elementos da PM colocaram rapidamente a bordo mulheres, crianças e idosos, que apresentavam “sinais visíveis de grande cansaço”.

Segundo a AMN, cerca de 40 afegãos foram resgatados para o interior da embarcação portuguesa e os restantes foram rebocados, em segurança, até ao porto de Skala Sikaminea, tendo sido distribuído, durante o trajeto, mantas térmicas, águas e bolachas.

No total, a PM resgatou 12 crianças e bebés, dez mulheres e 33 homens. Uma das mulheres resgatadas tinha um braço partido e foi assistida por médicos de Organizações Não-Governamentais (ONG), presentes no porto de Skala Sikaminea.

Desde 01 de outubro que uma equipa da Polícia Marítima (PM) portuguesa está no Mar Egeu, na Grécia, no âmbito de uma operação da Agência Europeia da Gestão da Cooperação Operacional nas Fronteiras Externas dos Estados-Membros da União Europeia (Frontex), denominada “Poseidon Sea 2015”, com “o objetivo de cooperar no controlo e vigilância das fronteiras marítimas gregas e no combate ao crime transfronteiriço”.

A missão da PM no mar Egeu termina a 30 de setembro de 2016.