A PJ deteve um terceiro suspeito do tiroteio na Ameixoeira, sabe a TVI. O homem foi detido em Ponte de Lima.

O homem, de 26 anos, foi detido “por fortes indícios da prática de crimes de homicídio na forma tentada, participação em rixa e detenção de arma proibida”, referiu a PJ, num comunicado citado pela Lusa.

De acordo com a polícia, o suspeito, em conjunto com outros dois homens já detidos, “efetuou vários disparos na via pública, os quais vieram a atingir e ferir três elementos da Polícia de Segurança Pública que tinham acorrido ao local, assim como duas outras pessoas”.

O homem tinha-se posto em fuga após o tiroteio, “ vindo agora, após a realização de múltiplas diligências da Polícia Judiciária com a colaboração da Polícia de Segurança Pública de Viana do Castelo, a ser localizado e detido no concelho de Ponte de Lima”.

O detido vai ser presente a primeiro interrogatório judicial, para aplicação das medidas de coação.

Há mais dois suspeitos detidos

Dois outros suspeitos do tiroteio naquele bairro lisboeta, tio e sobrinho, tinham já sido detidos, na segunda-feira, "por fortes indícios" da prática de crimes de homicídio na forma tentada.

Um dos dois suspeitos, de 42 anos, ficou em prisão preventiva, enquanto o outro suspeito, de 24 anos, saiu em liberdade, com obrigatoriedade de apresentações semanais na esquadra de residência.

A 29 de março, três agentes da Polícia de Segurança Pública (PSP) e duas mulheres civis foram baleados durante confrontos entre famílias rivais no bairro da Ameixoeira, na Alta de Lisboa.

Os factos foram cometidos, cerca das 20:00, quando os presumíveis autores, na sequência de conflitos antigos mantidos entre as famílias de ambos, efetuaram vários disparos na via pública, os quais vieram a atingir e ferir três elementos da Polícia de Segurança Pública que tinham acorrido ao local, bem como duas outras pessoas", explicou a Polícia Judiciária, em comunicado.

Os feridos, com idades entre os 30 e 42 anos, foram transportados para o Hospital de Santa Maria, em Lisboa.

A Inspeção-Geral da Administração Interna anunciou, entretanto, a abertura de um inquérito para apurar "todos os factos" relacionados com o tiroteio ocorrido no bairro da Ameixoeira.