As denúncias de atos de corrupção e fraude fiscal na plataforma da Procuradoria-Geral da República (PGR), criada há quatro anos no sítio na internet do órgão superior do Ministério Público, diminuíram relativamente ao ano passado.

As estatísticas da PGR indicam que, desde janeiro de 2014 até ao início deste mês, foram denunciados 1.625 casos de corrupção e fraude fiscal, menos 736 do que nos 12 meses de 2013.

Desde 10 de novembro de 2010, data da entrada em vigor da plataforma para denúncia dos crimes de corrupção e fraude fiscal, até ao início deste mês, o total de queixas é de 7.476: em 2010 (apenas dois meses), 378; em 2011, 1.219; em 2013, 2.361; e em 2014 (ano ainda não fechado), 1.625.

De entre as 1.625 denúncias neste ano, 779 foram realizadas sem qualquer dado de identificação do denunciante, registo igualmente inferior ao do ano passado, em que se verificaram 1.099 queixas anónimas, num universo de 2.361 registadas na plataforma.

Em 2012, 866 das 1.893 denúncias foram anónimas, enquanto 250 não estavam identificadas pelo denunciante, nos meses de novembro e dezembro de 2010, os primeiros da plataforma, representando cerca de 66% do total de queixas desse ano.