A Câmara de Cascais informou que, durante a manhã desta quarta-feira, ao largo da praia de Carcavelos, decorreu uma operação para retirar do fundo do mar um canhão de bronze do século XVII.

Fonte da autarquia adiantou à agência Lusa que a operação decorreu com "normalidade" e ficou concluída cerca das 14:00, após a retirada do canhão, com mais de 1,5 toneladas de peso, através de uma grua.

A operação foi realizada por uma equipa multidisciplinar que irá também recuperar a peça, no Núcleo de Património Histórico e Cultural municipal, no Museu do Mar, onde já se encontra, colocada num tanque em "processo de dessalinização".

A recuperação irá obedecer a um "plano rigoroso de conservação" que, segundo um comunicado da autarquia, passará por um tratamento em laboratório nas reservas arqueológicas municipais.

A partir daí, o legado poderá ser estudado de forma mais detalhada e irá valorizar o acervo arqueológico da Câmara de Cascais, para que, posteriormente, possa também ser visto pela comunidade.

"Não se sabe exatamente há quanto tempo está submerso. Trata-se de uma importante descoberta durante uma prospeção realizada ao largo da praia de Carcavelos, no âmbito dos trabalhos do Projeto da Carta Arqueológica Subaquática de Cascais, por uma equipa multidisciplinar, composta por dois arqueólogos, um historiador, um conservador e um biólogo", indica a autarquia.

A Carta Arqueológica Subaquática é um projeto da Câmara de Cascais (distrito de Lisboa) em colaboração com o Centro de História d'Aquém e d'Além-Mar, da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, e com o Centro de Investigação Naval da Escola Naval.