Quatro guardas prisionais da prisão de Paços de Ferreira foram esta terça-feira de manhã agredidos «de forma intempestiva» por um recluso, tendo ido ao hospital apenas por precaução, confirmou à Lusa a Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais.

O presidente do Sindicato Nacional do Corpo da Guarda Prisional, Jorge Alves, tinha explicado à agência Lusa que o incidente ocorreu de manhã, no refeitório do estabelecimento prisional, tendo sido originado pela ordem dada pelos guardas para que o recluso retirasse o turbante da cabeça.

Em resposta por escrito, a Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais «informa que esta manhã um recluso do Estabelecimento Prisional de Paços de Ferreira, de forma intempestiva, agrediu quatro elementos do Corpo da Guarda Prisional», tendo estes se deslocado «por precaução, ao hospital para serem avaliados», após o que regressaram à prisão.

«Em conformidade com o legalmente previsto neste tipo de ocorrências foi instaurado o competente processo disciplinar e feita comunicação ao Ministério Público», conclui.


Segundo Jorge Alves, um dos elementos do Corpo da Guarda Prisional, no cumprimento dos regulamentos da prisão, mandou o recluso - de nacionalidade marroquina - retirar o turbante que trazia na cabeça, o que gerou uma situação de conflito «e na tentativa de imobilização do recluso os guardas acabaram por se magoar».

O presidente do Sindicato Nacional do Corpo da Guarda Prisional disse ainda que os ferimentos foram ligeiros.