Um militar português foi ferido no braço esquerdo no decorrer de uma operação no âmbito da missão da ONU na República Centro Africana. O soldado encontra-se livre de perigo, anunciou esta quinta-feira o Estado-Maior das Forças Armadas.

Segundo um comunicado do EMGFA, o militar foi ferido durante "um incidente no decorrer da sua atividade operacional, na região de Mobaye, hoje, cerca das 12:00".

O militar, ao serviço da missão das Nações Unidas na República Centro Africana (MINUSCA), encontra-se livre de perigo e a família está já informada deste incidente, adiantou o Estado-Maior General das Forças Armadas.

Fonte do EMGFA adiantou à Lusa que o militar foi atingido a tiro no braço esquerdo, no decorrer de uma operação a cerca de 300 quilómetros a Este de Bangui.

A mesma fonte disse que ainda está em avaliação se o militar cumprirá a missão até ao fim ou se regressará ao país.

A força portuguesa é constituída por 160 militares - 156 do Exército, entre os quais 111 Comandos, e quatro da Força Aérea. O contingente português, atualmente empregue como Força de Reação Rápida do comandante da missão da Organização das Nações Unidas, será rendido em agosto.

O país, com 4,5 milhões de pessoas, vive desde 2013 um conflito civil, entre a coligação rebelde Seleka, maioritariamente muçulmana, que depôs o então Presidente, François Bozizé, e a milícia anti-Balaka, que é na sua maioria cristã.