A Unidade Local de Saúde (ULS) do Nordeste divulgou esta sexta-feira que foi detetada a presença de Legionella na água do hospital de Bragança e que foram «tomadas as medidas necessárias», sem registo de casos de doença.

Em comunicado, citado pela Lusa, o gabinete de imprensa da ULS esclarece que «na sequência da monitorização periódica efetuada regularmente à qualidade química e biológica da água, foi identificada na última avaliação, a 5 de fevereiro, na Unidade Hospitalar de Bragança, a presença de Legionella Pneumófila Serotipo 1».

Face ao resultado da análise efetuada, «foram tomadas de imediato todas as medidas necessárias no sentido da erradicação daquele agente». As medidas visaram «a garantia da qualidade química e biológica da água e da segurança de todos os doentes internados naquela Unidade Hospitalar».

A ULS Nordeste realça que, «a par da rápida identificação e pronta atuação, a situação tem sido acompanhada pela Autoridade de Saúde Pública, em conjunto com técnicos especializados nesta matéria».

«Não foram registados casos de doença», sublinha ainda, acrescentando que «a situação encontra-se, de momento, regularizada e salvaguardadas as garantias referidas».

Em 2011, três doentes foram infetados e dois acabaram por morrer vítimas da bactéria detetada numa ala do quarto piso do edifício hospitalar. Naquela ocasião, também foi detetada a presença de Legionella Pneumophila na água do hospital de Bragança, que procedeu à desinfeção através da injeção de água a alto impacto nas canalizações e com cloro e lixívia.