Foi encontrado esta manhã o bebé de 17 meses que estava desaparecido desde o início da noite desta quarta-feira na aldeia de Sarzedelo, em Póvoa de Lanhoso.

A criança foi encontrada a cerca de 900 metros da habitação por uma vizinha e entregue à Guarda Nacional Republicana, informou o coordenador da PJ de Braga.

Segundo Gil Carvalho, a criança terá andado sem destino até encontrar uma cancela que não conseguiu passar. A hipótese de crime está praticamente afastada.

Outros cenários estiverem sempre em aberto mas este foi sempre o que nós, das diligências que fizemos junto da família e das irmãs mais novinhas, mas espertas, e que nos indicaram que o portão podia estar aberto e que ela [a criança] aproveitou o momento para sair e caminhar", afirmou Gil Carvalho.

"Não podemos esquecer casos anteriores em que já aconteceu precisamente a mesma coisa. E tudo isto são experiências, conhecimentos que temos que ter em mente", explanou.

Questionado pelos jornalistas sobre o facto de se tratar de um bebé de ano e meio, o responsável pela PJ de Braga disse ter recolhido testemunhos de que o menino “corria e movimentava-se muito bem” o que, em seu entender, “indica que podia percorrer a distância” de cerca de um quilómetro.

As autoridades tinham alertado a população da aldeia para o desaparecimento e a criança acabou por ser encontrada por uma mulher que saiu para trabalhar no campo. A vizinha da família está a ser ouvida pelas autoridades.

Em declarações aos jornalistas, cerca das 11:30, o tenente-coronel da GNR Ricardo Lopes, afirmou que a criança "terá sido encontrada num terreno próximo".

Há cerca de dez minutos uma senhora residente aqui nas proximidades veio trazer o menor com vida. Aparentemente está bem, contudo estão a ser prestados primeiros socorros", disse.

O desaparecimento aconteceu por volta das 20:00 e o alerta foi dado pelo pai cerca das 22:00. As circunstâncias do desaparecimento ainda não são conhecidas.

Desde essa altura que as autoridades procuravam a criança. Nas buscas participavam os bombeiros de Póvoa de Lanhoso, a GNR e a Polícia Judiciária.

Depois de ter estado seis horas no Hospital de Braga e de ter sido submetido a vários exames, o bebé acabou por ter alta

O autarca de Póvoa de Lanhoso confirmou aos jornalistas que a família da criança está sinalizada e estava a ser acompanhada pela Comissão de Proteção de Crianças e Jovens (CPCJ).