Uma guarda-marinha angolana de 27 anos, que faz parte da tripulação da Marinha portuguesa, “internada e isolada na segunda-feira” no Hospital Curry Cabral, com o diagnóstico de tuberculose pulmonar bacilífera, confirmou o porta-voz da Marinha Portuguesa à Lusa. Para além deste caso,  outros dois militares foram levados terça-feira para o Hospital das Forças Armadas com sintomas idênticos, estando à espera dos resultados das análises.

Os 32 tripulantes do navio hidrográfico D.Carlos I, onde foi detetado na segunda-feira um caso de tuberculose pulmonar, estão a ser rastreados na base do Alfeite .

De acordo com Paulo Vicente, o navio da Marinha já se encontra desde a noite de terça-feira na base do Alfeite, estando os restantes elementos da tripulação a ser observados “por segurança e precaução”, por uma equipa médica que se deslocou ao local.
 

“Ontem à noite [terça-feira] fizeram o rastreio e ficaram sob observação durante a noite. Trata-se apenas de uma suspeita, mas é preciso confirmar se estão infetados ou não”..


O navio D. Carlos I deslocava-se para o exercício da NATO ‘Trident Juncture’ 2015, foi substituído na ação por outro, precisou Paulo Vicente.