O sistema de acesso direto à plataforma da estação de Benfica, em Lisboa, foi vandalizado, estando a acessibilidade comprometida até à próxima semana. Neste momento, apenas permite a saída de pessoas de mobilidade reduzida, dificultando a sua entrada.

"A solução provisória para a estação de comboios de Benfica foi vandalizada, cortaram os fios", contou à Lusa a presidente da Junta de Freguesia, Inês Drummond.

Ou seja, os cidadãos que utilizam esta entrada prioritária apenas "conseguem sair da estação", uma vez que aquela porta abre depois de se carregar num botão. Já a entrada no portão de acesso à plataforma, possível com um cartão que a Junta distribuiu, não está disponível.

A Junta já se dirigiu ao local e o acesso "deve ficar pronto esta semana".

Anos de reivindicações

O sistema foi instalado em maio último, depois de quase uma década de reivindicações dos munícipes. Desde 2006 que os moradores do Bairro do Calhariz, em Benfica, solicitam à empresa Infraestruturas de Portugal (que agora agrega a CP - Comboios de Portugal) a instalação de uma rampa ou um elevador para garantir o acesso à estação por parte dos cidadãos com mobilidade reduzida, já que para ali chegar era necessário percorrer 40 degraus.

A situação, que afetava também quem passa pelo interior da estação para ir até ao centro da freguesia (onde estão os serviços e o comércio), teve agora uma solução provisória, passando pela instalação de um sistema de acesso direto à plataforma da estação que funciona por cartão, a atribuir aos cidadãos de mobilidade reduzida. Foram distribuídos 50 cartões destes, segundo a autarquia.

Na semana passada, a Infraestruturas de Portugal referiu na Assembleia Municipal de Lisboa que "em 2016 não havia orçamento para a construção de um elevador de acesso à estação, mas que será executado em 2017".

Questionados pela presidente da Junta durante uma reunião da Comissão de Ambiente e Qualidade de Vida do município, representantes da empresa afirmaram que "o acordo [para a realização desta infraestrutura] só pode ser assinado quando houver cabimento".

A previsão é que o elevador esteja a funcionar ainda no primeiro trimestre do próximo ano.