Três militares da GNR do Montijo foram agredidos, na tarde de terça-feira, durante uma intervenção para apreender uma viatura envolvida num acidente de viação, tendo sido obrigados a receber tratamento hospitalar, afirmou fonte da guarda.

O caso ocorreu quando a patrulha do Posto Territorial do Montijo da Guarda Nacional Republicana (GNR) se deslocou à Jardia para proceder à apreensão de uma viatura que tinha sido interveniente num acidente de viação e que não possuía o seguro obrigatório.

«O proprietário da viatura, acompanhado da esposa e dois filhos, todos maiores, chegaram ao local e iniciaram logo de imediato injúrias, ameaças e agressões aos militares, que tiveram necessidade de chamar reforços para efetivar a detenção.»


Segundo a mesma fonte, mesmo após a chegada de reforços, os indivíduos continuaram com as injúrias, ameaças e agressões, resistiram à detenção, tendo havido a necessidade de «utilizar a força mínima necessária adequada à ocorrência».

«Das agressões sofridas resultaram três militares da GNR feridos, que tiveram de receber tratamento hospitalar no Hospital do Montijo. Um dos militares foi transferido de urgência para o Hospital do Barreiro», uma vez que apresentava «ferimentos com maior gravidade», afirmou.

Os militares terão sido agredidos a soco e pontapé, com a GNR a explicar que os agressores ainda tentaram usar tubos de ferro, mas que foram impedidos pelas autoridades.

Aos suspeitos, que já estavam referenciados por furtos, foram ainda apreendidos dois motores de embarcação, uma moto de água e um ciclomotor, por se desconhecer a identidade dos legítimos proprietários.

Os quatro detidos vão ser presentes esta quarta-feira à tarde ao Tribunal Judicial do Montijo para primeiro interrogatório.