O juiz Carlos Alexandre pode continuar a despachar no processo Marquês.

A TVI sabe que esta semana o tribunal da Relação de Lisboa recusou, por considerar extemporâneo, um pedido da defesa de José Sócrates para que o magistrado do tribunal Central de Instrução Criminal ficasse impedido de decidir no processo.

A defesa do antigo primeiro-ministro entendia que o juiz não gozava de imparcialidade para apreciar o processo e que até já teria decidido noutros casos, entretanto, apensados ao inquérito marquês, como é o exemplo do processo BES.

O juiz Carlos Alexandre entendeu que não devia declarar-se impedido, mas informou que só voltaria a praticar atos no processo quando o tribunal da Relação de Lisboa deliberasse.

A defesa ainda pode reclamar. A acusação no processo Marquês foi conhecida há quase cinco meses. O juiz pode agora fixar o prazo da instrução, uma etapa facultativa em que um magistrado decide se o caso segue para julgamento.

A instrução decorre no tribunal central, onde só trabalham dois juizes: um deles é Carlos Alexandre.