A GNR anunciou esta terça-feira que deteve um homem suspeito de tráfico de droga e que em sua casa, no concelho de Loulé, tinha uma divisão a funcionar como laboratório e estufa de canábis.

Fonte do Comando de Faro da GNR disse à agência Lusa que o homem, de 38 anos, foi também indiciado por posse de arma proibida e tinha diverso equipamento técnico para produção e controlo dos níveis da principal substância psicoativa que a canábis possui (THC).

A operação, realizada pelo Destacamento Territorial de Loulé da GNR, incluiu a busca domiciliária à residência do suspeito, no sítio do Pinheiro, em Loulé, onde a GNR se deparou com «um dos compartimentos da habitação que funcionava como laboratório de produção de canábis, dispondo de todos os elementos necessários ao cultivo de plantas controlado», precisou a fonte à Lusa.

Essa divisão da casa estava «equipada com estufa, termoventiladores, temporizadores, lâmpadas fluorescentes, controladores de THC, controladores de temperatura e de humidade, extrator de ar e ainda botija com hidrato de carbono», acrescentou.

A fonte da GNR disse que foram igualmente apreendidas 79 plantas de canábis, com cerca de 70 centímetros de altura e em diversas fases de crescimento, 72 pés de canábis já secos e com a folha retirada e 5.298 gramas de cabeças e folhas secas de canábis sativa prontas para venda e consumo.

A GNR fez também a apreensão de fertilizantes, vasos e ferramentas utilizadas para o cultivo das plantas, diversas facas e tesouras, onde se inclui uma faca de abertura automática, que a fonte do Comando de Faro disse ser «a arma proibida», assim como uma balança digital de precisão, sacos de fecho hermético, uma trituradora, 70 euros e «registos de controlos de THC e de fertilização».

Estes controlos consistiam, observou, em «registos próprios nos quais eram anotados os valores de THC em cada planta e de todo o produto fertilizante que era adicionado».

«Pela estrutura, pode inferir-se que o detido tinha grande conhecimento quanto às técnicas de plantação e tratamento do estupefaciente«, considerou a fonte do Comando de Faro, frisando que pelo «nível técnico, profissionalismo, empenho e dimensão» a GNR acredita ter «desmontado um dos principais pontos de abastecimento de canábis do concelho de Loulé».

O detido foi presente ao tribunal de Loulé para primeiro interrogatório judicial esta terça-feira e ainda se desconhecem as medidas de coação aplicadas, acrescentou.

Sobre uma eventual ligação do detido a uma estrutura mais ampla, a GNR acredita que o detido «já terá participado noutras situações deste tipo, onde adquiriu o conhecimento que agora tentava replicar».