Morreu a primeira doente de hepatite C por não ter acesso ao medicamento inovador que a podia salvar. Tinha 51 anos e terá sido infetada no próprio sistema nacional de saúde com uma transfusão de sangue. Os papéis de autorização para ter acesso ao medicamento andaram a circular pelo Hospital Egas Moniz entre os médicos, a Comissão de Farmácia e o Conselho de Administração durante mais de 10 meses, enquanto a doente piorava.
 
Só no dia em que a doente foi transferida de urgência para os cuidados intensivos do Hospital de Santa Maria é que foi pedido o medicamento ao Infarmed. Foi tarde de mais.



Maria Manuela Ramalho tinha 51 anos, trabalhava e era avô babada de um menino de quatro anos com quem passava os tempos livres. Terá sido infetada com o vírus da hepatite C no próprio Sistema Nacional de Saúde, na sequência várias cirurgias que implicaram algumas transfusões sanguíneas.


10 meses à espera do medicamento

 
Em fevereiro do ano passado, piorou e a sua médica, a 12 de março, terá pedido o novo medicamento inovador que a podia curar em questão de dias.
 
Os papéis da autorização para a doente ter acesso ao medicamento terão andado a circular no hospital, entre a Administração, a Comissão de Farmácia e os médicos, durante mais de 10 meses. Quando surgiu o portal do Infarmed, os médicos logo que tiveram a password colocaram o caso na plataforma. A doente terá chegado a ter o medicamento associado Declatavir oferecido pelo laboratório, mas era preciso comprar o Sofosbuvir que custa 46 mil euros.
 
A doente volta a ser internada a 16 de dezembro. Começa a piorar e, no dia 28 de janeiro, é transferida para a unidade de cuidados intensivos do Hospital Santa Maria. Nesse mesmo dia, alguém terá enviado finalmente o pedido de autorização para o Infarmed.

Dia 30 de janeiro, cerca das 10:00, a doente morre por complicações relacionadas com a hepatite C. O médico responsável pela unidade não tem dúvidas de que ela estaria viva se tivesse tido acesso ao medicamento.


 
Este domingo o neto faz 5 anos. A família vai avançar para tribunal.


Santa Maria abre auditoria interna


O Hospital Egas Moniz esclareceu apenas algumas questões da TVI. Diz que o pedido do medicamento só foi feito pelos médicos em julho e que terá havido ajustes terapêuticos ao longo de meses. O hospital pediu o medicamento ao laboratório que o libertou a custo compassivo, ou seja de graça, para a doente, mas ficou a aguardar que o hospital lhe enviasse a autorização excecional do Infarmed.
 
Uma autorização que só terá chegado ao Infarmed a 28 de janeiro e cujo pedido ainda não foi retirado do portal da hepatite C. Para eles continua «em avaliação».

O hospital de Santa Maria avançou com uma auditoria interna para perceber onde ficam parados os processos dos doentes para terem acesso a este medicamento inovador que cura a hepatite C. Isto aconteceu, na sequência de denúncias públicas de uma médica do hospital que punha em causa a análise dos pedidos feitos pela Comissão de Farmácia do Hospital. Agora, cabe à Inspeção-Geral de Saúde investigar o caso.