O Tribunal de Contas autorizou a construção do novo quartel da GNR de Fafe, decisão que põe termo a cerca de 20 anos de avanços e recuos no processo, disse hoje à Lusa o presidente da câmara.

«Chegou finalmente o visto do Tribunal de Contas», congratulou-se Raúl Cunha, lembrando que o desbloqueio do processo burocrático só ocorreu com o empenho do ex-ministro da Administração Interna, Miguel Macedo.

«[Miguel Macedo] Teve um papel importante ao desbloquear um processo que estava muito enredado», assinalou o autarca eleito pelo PS.

Raúl Cunha recordou que todo o processo de adjudicação estava concluído, mas a obra não podia avançar sem a emissão do visto do Tribunal de Contas, o que ocorreu, disse, na sexta-feira.

«Com as conversas bilaterais entre o município e o ministério foi possível criar as condições para agilizar este dossiê», declarou.

À Lusa, o edil adiantou que no sábado o secretário de Estado da Administração Interna estará em Fafe para assinalar, simbolicamente, o arranque da empreitada, orçada em cerca de 1,8 milhões de euros.

O presidente da câmara recordou, por outro lado, que o atual posto territorial da GNR de Fafe apresenta «condições deploráveis».

«Os militares que sofreram durante estes anos com as condições deploráveis vão poder ser compensados e ter um edifico adequado à nobreza das funções que exercem», exclamou.

Face à degradação do atual equipamento, o autarca disse ter sido hoje contactado pela hierarquia da GNR sobre a possibilidade de a construção do novo edifício ser realizada por fases. Os militares pretendem ocupar as novas instalações o mais rapidamente possível.

O novo quartel, com uma área total de cerca de 3.000 metros quadrados, será construído na rua Serpa Pinto, no centro da cidade, ocupando a área onde funcionou uma antiga escola e aproveitando um edifício centenário contíguo.