A greve de enfermeiros que começou esta segunda-feira na Região Autónoma da Madeira está a registar uma adesão de cerca de 85%, segundo fonte sindical.

A greve foi convocada pelo Sindicato dos Enfermeiros da Região Autónoma da Madeira (SERAM) para hoje e terça-feira, reivindicando a harmonização salarial dos enfermeiros com contrato individual de trabalho.

De acordo com os dados do SERAM, "durante o turno da noite, a maior parte dos serviços de internamento no Hospital Dr. Nélio Mendonça e no dos Marmeleiros, teve uma adesão de 95%".

Nestes serviços "só foram assegurados as obrigações mínimas de acordo com as diretivas de greve necessárias aos utentes internados", disse o dirigente sindical Juan Carvalho, adiantando que, quando conjugados os valores do turno da noite com os do turno da manhã, a adesão se fixa nos 85%.

Falta ainda apurar alguns dados dos centros de saúde regionais, segundo a mesma fonte.

O sindicato considera "inadmissível que na sequência do acordo alcançado com o Ministério da Saúde no passado dia 29 de setembro, a Secretaria Regional da Saúde e o Serviço Regional de Saúde da Madeira teimem em manter a crónica situação de discriminação salarial entre enfermeiros".

Da parte do Serviço Regional de Saúde, contactado pela Lusa, não há qualquer comentário aos números veiculados pelo sindicato.