Trinta e duas das 60 albufeiras monitorizadas em Portugal continental tinham em março reservas superiores a 80% do volume total, enquanto em fevereiro eram apenas cinco, segundo dados divulgados hoje pelo Sistema Nacional de Informação de Recursos Hídricos (SNIRH).

No final de março, só três tinham disponibilidades inferiores a 40% do volume total, face às 23 que estavam nessa situação em fevereiro.

Ainda de acordo com os dados do SNIRH, todas as bacias hidrográficas de Portugal continental registavam no final de março uma subida no volume de água armazenado, comparativamente ao mês anterior.

A cada bacia hidrográfica pode corresponder mais do que uma albufeira.

Os armazenamentos de água em março, por bacia hidrográfica, eram superiores às médias do período de referência (março 1990/91 a 2016/17), com exceção para as bacias do Mondego, Ribeiras do Oeste, Sado, Guadiana, Mira e Ribeiras do Algarve, ou seja metade das monitorizadas.

A bacia do Ave era a que apresentava maior disponibilidade de água (92,3%), seguida da do Tejo (91,1%). A bacia das Ribeiras do Oeste tinha o número mais baixo (49,9%), seguida da do Sado (59,9%).