O escritor Mário Braga morreu hoje em Lisboa e o seu corpo estará em câmara ardente a partir das 18:00 no Centro Funerário S. João de Deus, na Praça de Londres, naquela cidade. Tinha 95 anos.

Escritor e tradutor, que nasceu em Coimbra a 14 de julho de 1921, Mário Braga era licenciado em Ciências Histórico-Filosóficas pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, onde lecionou.

Estreou-se em 1944, com o livro de contos “Nevoeiro” e publicou até 1997, com o ensaio “Momentos doutrinais”.

Mário Augusto de Almeida Braga foi diretor-geral da Secretaria de Estado da Comunicação Social e membro do Conselho Consultivo das Bibliotecas Itinerantes da Fundação Calouste Gulbenkian.

Neorrealista, Mário Braga foi ainda editor da revista coimbrã Vértice, de 1946 a 1965.

Às 14:30 de domingo, também na Praça de Londres, terá início a cerimónia de homenagem a Mário Braga, seguindo depois o funeral para o cemitério dos Olivais, de acordo com a Servilusa, empresa prestadora de serviços funerários.