Centenas de quilos de molusco dão à costa em Gaia

Estranho fenómeno ainda não tem explicação

Por: Redação / FC    |   2 de Janeiro de 2010 às 16:00
Uma grande quantidade de peixe e moluscos mortos deu à costa em Gaia, este sábado, tendo a capitania do Porto do Douro alertado para que a população não os consuma, já que se desconhece a causa da morte.

Segundo a RTP; cerca de 500 kg de pescado já foram retirados da praia de Valadares, havendo polvos de vários tamanhos, desde poucas gramas até 3kg. Os biólogos estranham a situação, uma vez que se trata de uma espécie só.

Em comunicado citado pela agência Lusa, a capitania do Porto do Douro anunciou que «por razões que se desconhecem, está a dar à costa na área do concelho de Vila Nova de Gaia, respectivamente entre as freguesias de Canidelo e Valadares, grande quantidade de peixe/moluscos mortos».

A capitania acrescenta ainda que «por se desconhecer até ao momento a causa da morte das diversas espécies, aconselha-se toda a população a não usar as referidas espécies para consumo humano»

.

A Câmara de Gaia, através do vice-presidente Marco António Costa, enviou para o local «os bombeiros municipais, solicitou às Águas de Gaia uma equipa de limpeza para recolher o peixe bem como técnicos do Parque Biológico para analisarem o peixe».

Fonte da Câmara de Gaia revelou ainda na Lusa que no meio dos peixes e moluscos mortos foi encontrada uma perna humana calçada com uma bota, tendo sido alertada a Polícia Judiciária para proceder à recolha da mesma.
PUB
Partilhar
EM BAIXO: Sociedade
Sociedade

COMENTÁRIOS

PUB
«Se Sócrates não fosse quem é, não estaria preso»

O advogado João Araújo, que representa o antigo primeiro-ministro José Sócrates, está convicto da inocência do cliente: «Acredito e declaro, com toda a certeza possível, que o senhor engenheiro José Sócrates não praticou aqueles crimes que lhe imputam». O causídico disse, no «Jornal das 8» da TVI, que o «processo tem uma face profundamente política». «O facto de ele ser quem é, influenciou a decisão do juiz», sublinhou