A Livraria Buchholz, um espaço reconhecido há muitos anos em Lisboa, fechou portas no passado dia 23 de Abril. Esta quarta-feira foi comprada, em leilão, pela Coimbra Editora, apurou o tvi24.pt.

Apenas dois compradores mostraram interesse em comprar o espaço, sendo eles a Coimbra Editora e a Portugália Editora. Inicialmente, tinha sido estipulado que a compra seria por proposta de carta fechada, mas acabou por realizar-se por leilão, onde a proposta mais alta foi avançada pela Coimbra Editora, no valor de 110 mil euros, contou Sandra Carapeto ao tvi24.pt, uma das nove trabalhadoras que foram despedidas da livraria.

A maior interessada na livraria seria a Portugália Editora, integrada no Grupo Editorial Fundação Agostinho Fernandes. No entanto, a oferta não cobriu a da Coimbra Editora.

O leilão foi realizado com a presença do administrador da insolvência, Fernando Cruz Dias, e da Comissão de Credores, tendo as ex-funcionárias sido avisadas em cima da hora, adiantou Sandra ao tvi24.pt.

Fica assim encaminhado o destino do espaço de referência, da Livraria Buchholz, com a possibilidade de reabrir ao público mas com outro nome.

Declarada insolvente por sentença judicial a 22 de Janeiro de 2009, a livraria viria a apresentar uma situação complicada, com uma lista de 876 credores.

Acabaria por fechar portas a 23 de Abril deste ano, colocando no desemprego nove trabalhadoras com salários em atraso, situação que agora as ex-trabalhadoras esperam ver resolvida.