Os administradores dos Transportes Públicos de Braga (TUB) detidos na quinta-feira terão recebido "várias centenas de milhares de euros" como "contrapartidas" por alegadamente beneficiarem uma empresa na aquisição de autocarros, informou esta sexta-feira a Polícia Judiciária (PJ).

Em comunicado, a PJ acrescenta que aqueles responsáveis dos TUB "presumivelmente viciaram, durante cerca de meia dúzia de anos, os procedimentos concursais para aquisição de viaturas pesadas de transporte de passageiros".

A ideia era "beneficiar" uma sociedade importadora de veículos industriais, que também foi constituída arguida neste processo.

"Depois de complexa investigação, foram reunidos vários elementos de prova, indiciando-se fortemente o recebimento indevido de contrapartidas várias, cuja quantificação ascende na sua totalidade a várias centenas de milhares de euros", refere a PJ.

Dois representantes e "altos quadros" dessa sociedade foram igualmente constituídos arguidos.

Entre os detidos, contam-se Vítor de Sousa, ex-vice-presidente da Câmara de Braga, e Cândida Serapicos, que integrou o gabinete do anterior presidente da Câmara, Mesquita Machado.

Ambos já refutaram publicamente as acusações, que classificaram de "calúnias".

Os arguidos estão indiciados pela prática de crimes de corrupção em prejuízo do comércio internacional e de administração danosa.

Foram detidos na quinta-feira, pela Polícia Judiciária de Braga, no cumprimento de mandados de detenção.

Hoje, já foram levados ao Tribunal de Braga para primeiro interrogatório judicial e aplicação das respetivas medidas de coação.